A Grande Família

                            

Hoje temos a missão especial de contar a história de uma família diferente, no melhor sentido dessa palavra.

Prepare o seu coração para conhecê-los e deixe uma caixa de lencinhos ao lado, porque a história deles nos leva a uma nova maneira de enxergar a nossa vida e a sociedade em que vivemos.

Larga tudo e vem, vamos mergulhar na aventura que é a vida do Cleiton e da Adriana e conhecer mais alguns integrantes dessa linda história de AMOR e RENÚNCIAS.

Quando dissemos que essa família é diferente, você deve ter tido mil ideias, mas aposto que nenhuma chegou perto do que vamos te contar.

Talvez você esteja se perguntando o porquê de escolhermos uma família, ao invés de uma ONG ou instituição grande e conhecida por todos. Todas as respostas do mundo poderíamos dar agora mesmo, expondo estatísticas e dados, mas garantimos que nada será tão claro e estatístico, quanto a história de vida desse casal, anônimo, que tem feito uma diferença incomparável, aqui pertinho de nós e totalmente alheios aos holofotes. VAMOS LÁ! Conheça-os e como nós, apaixone-se!

No ano de 2005, a Adriana e o Cleiton conheceram a Missão Belém e em 2008 passaram a participar da MISSÃO CASA LAR, dentro de um ambiente carismático e institucionalizado para crianças e adolescentes. Ao final de 2010, lhes foram confiadas as primeiras DEZ guardas e essas crianças se tornaram seus primeiros DEZ FILHOS, pois a Adriana e o Cleiton os adotaram.

Até aqui nós já estamos emocionados, mas continua conosco, pois a beleza da história nem começou. Aguenta coração!

Em um dado momento, essa instituição precisou direcionar as crianças que ainda não estavam inseridas em um lar e devido a uma série de burocracias e a situação individual de cada menor. Alguns não estavam naquela “wish list” dos casais que querem filhos e não podem naturalmente gerá-los. A maioria das exigências desses casais, inclui bebês, brancos, olhos claros, crianças pequenas e sem nenhuma característica especial que possa necessitar de cuidados específicos.

 A verdade, queridos, crianças maiores de 5 anos, adolescentes ou com necessidade especial, não estão sendo cogitados para uma família e suas famílias biológicas não estão aptas a criá-los.

As portas se fecharam e 12 vidas preciosas não tinham um lar, se quer um novo teto e esse casal que já tinha adotado os DEZ que haviam tutelado, agora estavam com a casa aberta para mais DOZE.

Isso mesmo, nós estamos falando de uma família de quatro pessoas que acabou se tornando um lar com 22 novos filhos. Mas a melhor parte está por vir.

Acompanhe conosco agora os dados desse lar:

- 22 filhos

- 3 casados

- 3 netinhos

Morando com os pais são 17 (16 filhos e uma afilhadinha)

- Afilhada de 3 anos

- Um filho de 5 anos

- Dois filhos de 10 anos

- Dois filhos de 12 anos

- Dois filhos de 14 anos

- Um filho de 15 anos

- Uma filha de 16 anos

- Um filho de 17 anos

- Uma filha de 18 anos

- Uma filha de 19 anos

- Uma filha de 21 anos

- Duas filhas de 22 anos

- Um filho de 26 anos

 

 

Nesse momento, da história, nós já nos arrependemos de todas às vezes que achamos que nossa rotina é cansativa ou que alguma coisa é difícil. Só que ainda tem mais!

Imagine cuidar de toda essa família e ainda arrumar tempo para distribuir alimento para os que estão passando necessidade, acredite, o Cleiton todos os dias entrega “marmitinhas quentinhas” que são doadas por uma instituição e leva para os vizinhos do bairro. Além de dividir, quando recebe uma doação maior, cestas básicas com quem não recebe nada.

Gente, impossível não se apaixonar por pessoas assim!

Queridos, nós não queremos expor as crianças, por isso alguns detalhes mais delicados, ficarão fora desse nosso relato. Mas acreditem, são muitas histórias, muitas lembranças e marcas desses tempos tristes do passado. Por isso, nossa missão é levar uma nova realidade para a casa desse casal e dos seus filhos.

Além de se dedicarem em tempo integral à formação dessa turma enorme, a Adriana atua como psicóloga em alguns dias, fazendo apenas atendimentos aos que não podem pagar por uma consulta e também atende as pessoas da Missão Belém. Que família!

Temos certeza de que aqueles questionamentos e ideias lá do início, já deram lugar a uma vontade enorme de entrar na missão e fazer parte desse projeto.

Algumas crianças estão sendo acompanhadas por profissionais da saúde, alguns já diagnosticados, outros em investigação clínica e psicológica. Todos nós sabemos que atendimento médico gratuito não é fácil, imagine para 22.

Nossa ajuda será na parte de compras de mercado, semanalmente, disponibilizando o necessário para o bem estar nutricional da família e na parte de higiene e limpeza.

Nosso sonho é que ao se tornar um cliente DARE, possamos juntos fazer a diferença na vida dessa GRANDE FAMÍLIA, com os DARES gerados por você, levaremos amor em forma de mantimentos.

Somos gratos por você ficar conosco até aqui.

Façamos a diferença juntos.

Seja o AMOR nessa causa, seja DARE.

 

Equipe Projeto Dare Santa Margarida